Superar uma perda não é esquecer, muito menos fingir que ela nunca existiu.
Superar é encarar de frente, muitas vezes o caminho é longo.
Primeiro você vai negar a dor, depois vai sentir raiva, talvez até de si mesmo. É bem provável que culpe os outros que tente justificar e até barganhar, e quando tudo lhe parecer inútil, sem sentir forças para escolher, ou se quer perceber, é possível que esteja em depressão, uns se entregam, outros se boicotam, mas todos, todos travam ali sua maior batalha.
Superar é conseguir se reconciliar com a vida, é seguir com o que restou, e isso não significa necessariamente seguir com menos, ao contrário, saímos da escuridão mais fortes, mais sábios.
Superar é encarar o longo caminho que começa na coragem de sair do casulo e enxergar a si mesmo.
Superar é revisitar a dor e não mais fugir dela, é não se render a paralisia, agir, trabalhar.
Superar é confrontar a nova realidade e aprender com ela a segiur em frente e, é aí que, quando menos esperar uma beleza vai te fazer sorrir um geste de beleza vai te emocionar. Neste dia, você terá encontrado a paz, terá transformado a dor em sabedoria e, com a esperança renascendo, estará em fim, de volta a vida.
Desconhecido
Pensei no diapasão que uso para afinar o violoncelo. Quando eu o utilizava , atingia notas de “Lá” - vibrações q aumentavam , aumentavam até que a afiação harmônica atingia todo o espaço. Era isso q o sorriso de Adam estava causando dentro de mim durante aquele jantar
Se eu ficar